Implante Coclear

CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO E CONTRAINDICAÇÃO DO IMPLANTE COCLEAR

1.CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO.
O uso de implante coclear está indicado para habilitação e reabilitação auditiva de pessoas que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo a profundo, quando preenchidos os critérios abaixo de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.

1.1.Crianças com até 4 anos de idade incompletos, que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo e ou profundo BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:

a) Experiência com uso de aparelhos de amplificação sonora individual (por um período mínimo de três meses). Em casos de meningite e/ou surdez profunda de etiologia genética comprovada, não é obrigatória a experiência com AASI.
b) Idade mínima de 6 meses na perda auditiva profunda e idade mínima de 18 meses na perda auditiva severa.
c) Falta de acesso aos sons de fala em ambas as orelhas com AASI, ou seja, limiares em campo livre com AASI piores que 50dBNA nas frequências da fala (500Hz a 4KHz);
d) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
1.2.Crianças a partir de 4 até 7 anos de idade incompletos, que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo e ou profundo BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada
b) Presença de indicadores favoráveis para o desenvolvimento de linguagem oral;
c) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;

1.3.Crianças a partir de 7 até 12 anos de idade incompletos, que apresentem perda auditiva neurossensorial, de grau severo e ou profundo BILATERAL, quando preenchidos todos os seguintes critérios:

a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto na orelha a ser implantada, com percepção de fala diferente de zero em conjunto fechado;
b) Presença de código linguístico oral em desenvolvimento. Devem apresentar comportamento linguístico predominantemente oral. Podem apresentar atraso no desenvolvimento da linguagem oral considerando a sua idade cronológica, manifestado por simplificações fonológicas, alterações sintáticas (uso de frases simples compostas por três a quatro palavras), alterações semânticas (uso de vocabulário com significado em menor número e em menor complexidade, podendo ser restrito para as situações domiciliares, escolares e outras situações do seu cotidiano) e alterações no desenvolvimento pragmático, com habilidades de narrativa e argumentação ainda incipientes;
c) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada do paciente e da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
d) Uso de AASI contínuo e efetivo por pelo menos metade da sua idade.
1.4. Adolescentes a partir de 12 anos de idade, que apresentem perda auditiva neurossensorial pré-lingual de grau severo e/ou profundo BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:
a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada, com percepção de fala diferente de zero em conjunto fechado;
b) Presença de código linguístico oral estabelecido e adequadamente reabilitado pelo método oral;
c) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada do paciente e da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
d) Uso de AASI efetivo por pelo menos metade da sua idade.

1.5. Adolescentes a partir de 12 anos de idade, que apresentem perda auditiva neurossensorial pós-lingual, de grau severo e ou profundo, BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:

a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada
b) Adequação psicológica, motivação e expectativa adequada do paciente e da família para o uso do implante coclear e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;

1.6. Em adultos que apresentem perda auditiva neurossensorial pré-lingual de grau severo e ou profundo UNILATERAL ou BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:

a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada, com percepção de fala diferente de zero em apresentação em conjunto fechado na situação binaural.
b) Presença de código linguístico estabelecido e adequadamente reabilitado pelo método oral;
c) Adequação psicológica e motivação adequada do paciente para o uso do implante coclear, e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
d) Nos casos de surdez bilateral é necessário o uso de AASI efetivo desde o diagnóstico da perda auditiva severa a profunda;

1.7. Em adultos que apresentem perda auditiva neurossensorial pós-lingual de grau severo ou profundo UNILATERAL ou BILATERAL, quando preenchidos os seguintes critérios:

a) Resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada;
b) Adequação psicológica e motivação do paciente para o uso do implante coclear, e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;


2. CRITÉRIOS ESPECIAIS

2.1.Espectro da Neuropatia Auditiva
2.1.1. Em crianças pré-linguais

a) Uso obrigatório de AASI por um tempo mínimo de 12 meses em prova terapêutica fonoaudiológica;
b) Nestes casos o desempenho nos testes de percepção auditiva da fala é soberano ao grau da perda auditiva;
c) Idade mínima de 30 meses para as perdas moderadas e 18 meses para as perdas severas a profunda. A idade mínima não é exigência nos casos com etiologia genética do espectro da neuropatia auditiva comprovada;
d) Os demais critérios de indicação do implante coclear seguem os constantes no item 1 de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.

2.1.2. Em pacientes pós-linguais

a) Nestes casos o desempenho nos testes de percepção auditiva da fala é soberano ao grau da perda auditiva, ou seja, resultado igual ou menor que 50% de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI na orelha a ser implantada e inferior a 60% na melhor orelha, independentemente do grau de perda auditiva;
c) Os demais critérios de indicação do implante coclear seguem os constantes no item 1 de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.

2.2. Cegueira associada a surdez

a) Quando paciente apresentar cegueira associada, independente da idade atual e época da instalação da surdez, o implante coclear está indicado quando o resultado de reconhecimento de sentenças em conjunto aberto com uso de AASI for igual ou menor que 50% na orelha a ser implantada;
b) Adequação psicológica e motivação do paciente para o uso do implante coclear, e para o processo de reabilitação fonoaudiológica;
c) Não se faz necessária preencher os demais requisitos do item 1 para cada faixa etária e época de instalação da surdez.

2.3. Implante coclear de estimulação eletroacústica.
Indicado em pacientes maiores de 18 anos de idade, com perda auditiva profunda em frequência agudas e preservação em frequências graves, de acordo com os seguintes critérios:

a) Limiares tonais menores ou iguais a 60 dB nas frequências de 250, 500 e 1000 Hz e limiares tonais maiores que 75 dB nas frequências de 2000, 3000 e 4000 Hz na orelha a ser implantada;
b) Reconhecimento de monossílabos com AASI entre 10% e 60% na orelha a ser implantada;
c) Reconhecimento de monossílabos com AASI menor que 80% na orelha contralateral;
d) GAP aéreo ósseo menor que 15 dB;
e) Perda da auditiva estável nos últimos 2 anos;
f) Etiologia diferente de otoesclerose, meningite, doença auto imune, mal formação e ossificação coclear:
g) Sem contra indicação para utilização de moldes auriculares:
h) Os demais critérios de indicação do implante coclear seguem os constantes no item 1 de acordo com a faixa etária e época de instalação da surdez.


3. CRITÉRIOS DE CONTRAINDICAÇÃO
Está contraindicado o Implante Coclear nos seguintes casos:

a) Surdez pré-lingual em adolescentes e adultos não reabilitados por método oral (exceto nos casos de cegueira associada);
b) Pacientes com agenesia coclear ou do nervo coclear BILATERAL;
c) Contraindicações clínicas.


4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 

1. Amoodi HA, Mick PT, Shipp DB, Friesen LM, Nedzelski JM, Chen JM, Lin VY.Arisi E et al. Cochlear implantation in adolescents with prelinguistic deafness. Otolaryngol Head Neck Surg 2010;142(6):804-808. 

2. Arndt S, Aschendorff A, Laszig R, Beck R, Schild C, Kroeger S, Ihorst G, Wesarg T.Comparison of pseudobinaural hearing to real binaural hearing rehabilitation after cochlear implantation in patients with unilateral deafness and tinnitus. Otol Neurotol. 2011;32:39–47.[PubMed] 

3. Balkany T, Hodges A, Telischi F, Hoffman R, Madell J, Parisier S, Gantz B, Tyler R, Peters R, Litovsky R.- William House Cochlear Implant Study Group: position statement on bilateral cochlear implantation. Otol Neurotol. 2008 Feb;29(2):107-8.

4. Basura GJ, Eapen R, Buchman CA. Bilateral cochlear implantation: current concepts, indications, and results. Laryngoscope. 2009 Dec;119(12):2395-401. Review. 

5. Bauer PW, Sharma A, Martin K, Dorman M. - Central auditory development in children with bilateral cochlear implants. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2006 Oct;132(10):1133-6.

6. Bishop CE, Eby TL. The current status of audiologic rehabilitation for profound unilateral sensorineural hearing loss. Laryngoscope. 2010;120(3):552–556. 

7. Bovo R, Ciorba A, Martini A. Tinnitus and cochlear implants. Auris Nasus Larynx. 2011 Feb;38(1):14-20. 

8. Brown KD, Balkany TJ. - Benefits of bilateral cochlear implantation: a review. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg 2007;15:315–8. 

9. Buechner A, Brendel M, Lesinski-Schiedat A, Wenzel G, Frohne-Buechner C, Jaeger B, Lenarz T. Otol Neurotol. 2010 Dec;31(9):1381-5

10. Ching TY, Incerti P, Hill M. Binaural benefits for adults who use hearing aids and cochlear implants in opposite ears. Ear Hear 2004;25:9–21. 

11. Cochlear implantation in unilateral deaf subjects associated with ipsilateral tinnitus.Cohen R, Labadie R, Dietrich M, Haynes D – Quality of life in hearing-impaired adults: the role of cochlear implants and hearing aids. Otloatyngology, Head neck Surgery 2004, 131(4): 413-22. 

12. Cox RM, DeChicchis AR, Wark DJ Demonstration of binaural advantage in audiometric test rooms.. Ear Hear. 1981 Sep-Oct;2(5):194-201. 

13. Dunn CC, Noble W, Tyler RS, Kordus M, Gantz BJ, Ji H. - Bilateral and unilateral cochlear implant users compared on speech perception in noise. Ear Hear. 2010 Apr;31(2):296-8.

14. Eapen RJ, Buss E, Adunka MC, Pillsbury HC 3rd, Buchman CA. Hearing-in-noise benefits after bilateral simultaneous cochlear implantation continue to improve 4 years after implantation. Otol Neurotol. 2009 Feb;30(2):153-9. 

15. Firszt JB, Holden LK, Reeder RM, Waltzman SB, Arndt S. Auditory abilities after cochlear implantation in adults with unilateral deafness: a pilot study. Otol Neurotol. 2012;33(8):1339–1346.

16. Fitzpatrick E, et al. Cochlear implantation in adolescent and adults with prelinguistic deafness: outcomes and candidacy issues. International Congress Series 2004;1273:269-272 

17. Food and Drug Administration (2009) What is cochlear implant. Disponível on line em: http://www.fda.gov/MedicalDevices/ProductsandMedicalProcedures/ImplantsandProsthetics/CochlearImplants/ucm062823.htm. Acessado em 23 de julho de 2009 

18. Gelfand SA, Silman S. Apparent auditory deprivation in children: implications of monaural versus binaural amplification. J Am Acad Audiol 1993;4:313–8 

19. Gibson, E – the Cochlear Implant journey: candidacy, expectations and aural rehabilitation. Hearing Review, august, 2006. Disponível em URL: http://www.hearingreview.com/issues/articles/2006-08_06.asp Acessado em 23 de julho de 2010. 

20. Gifford RH, Dorman MF, Shallop JK, Sydlowski SA.- Evidence for the expansion of adult cochlear implant candidacy. Ear Hear. 2010 Apr;31(2):186-94. 

21. Gilley PM, Sharma A, Dorman MF. Cortical reorganization in children with cochlear implants. Brain Res. 2008 Nov 6;1239:56-65. 

22. Giolas TG, Wark DJ. Communication problems associated with unilateral hearing loss. J Speech Hear Disord. 1967;32(4):336–343.

23. Hassepass F, Aschendorff A, Wesarg T, Kroger S, Laszig R, Beck RL, Schild C, Arndt S. (2013) Unilateral Deafness in Children: Audiologic and Subjective Assessment of Hearing Ability After Cochlear Implantation. Otology & Neurotology. 34:53-60. 

24. Kerber S, Seeber BU. Localization in reverberation with cochlear implants: predicting performance from basic psychophysical measures. J Assoc Res Otolaryngol. 2013;14(3):379–392. 

25. Kerber S, Seeber BU. Sound localization in noise by normal-hearing listeners and cochlear implant users. Ear Hear. 2012;33(4):445–457. 

26. Koch DB, Soli SD, Downing M, Osberger MJ. Simultaneous bilateral cochlear implantation: prospective study in adults. Cochlear Implants Int. 2009 Feb 26. [Epub ahead of print] 

27. Kuhn-Inacker H, Shehata-Dieler W, Muller J, et al. Bilateral cochlear implants: a way to optimize auditory perception abilities in deaf children? Int J Pediatr Otorhinolaryngol 2004;68:1257–66.

28. Kuhn-Inacker H, Shehata-Dieler W, Muller J, Helms J. Bilateral cochlear implants: a way to optimize auditory perception abilities in deaf children? Int J Pediatr Otorhinolaryngol 2004; 68: 1257–66. 

29. Litovsky R, Parkinson A, Arcaroli J, Sammeth C. - Simultaneous bilateral cochlear implantation in adults: a multicenter clinical study. Ear Hear 2006;27:714–31.

30. Litovsky RY, Johnstone PM, Godar S, Agrawal S, Parkinson A, Peters R, et al. Bilateral cochlear implants in children: localization acuity measured with minimum audible angle. Ear Hear 2006; 27: 43–59 

31. McLeod B, Upfold L, Taylor A. Self reported hearing difficulties following excision of vestibular schwannoma. Int J Audiol. 2008;47:420–430. [PubMed]

32. Miyamoto RT, Wynne MK, McKnight C, Bichey B. Electrical suppression of ti nnitus via cochlear implant s. Int Tinnitus J 1997;3:35Y8. 

33. Neuman AC, Haravon A, Sislian N, et al. Sound-direction identification with bilateral cochlear implants. Ear Hear 2007;28:73–82. 

34. Noble W, Gatehouse S. Effects of bilateral versus unilateral hearing aid fitting on abilities measured by the speech, spatial, and qualities of hearing scale (SSQ) Int J Audiol.2006;45(3):172–181. 

35. Noble W, Tyler R, Dunn C, Bhullar N. Unilateral and bilateral cochlear implants and the implant-plus-hearing-aid profile: comparing self-assessed and measured abilities. Int J Audiol. 2008;47(8):505–514. 

36. Peters BR, Wyss J, Manrique M.- Worldwide trends in bilateral cochlear implantation. Laryngoscope. 2010 May;120 Suppl 2:S17-44. 

37. Portaria nº 1.278/GM de 20 de outubro de 1999. [acesso em: 9 abr 2009]. Disponível em URL: http://www.saude.mg.gov.br/atos_normativos/legislacao-sanitaria/estabelecimentos-de-saude/saude-auditiva/Portaria_1278.pdf

38. Schramm D. Fitzpatrick E., Séguin C. Cochlear implantation for adolescent and adults with prelinguistic deafness. Otol Neurotol 2002;23(5):698-703

39. Shpak T, et al. Perception of speech by prelingual pre-adolescent and adolescent cochlear implant users. Int J Audiol 2009;48(11):775-783 

40. Summerfield AQ, Barton GR, Toner J, McAnallen C, Proops D, Harries C, et al. Self-reported benefits from successive bilateral cochlear implantation in post-lingually deafened adults: randomized controlled trial. Int J Audiol 2006; 45 (Suppl. 1): S99–107. 

41. Távora-Vieira D, De Ceulaer G, Govaerts PJ, Rajan GP. Cochlear implantation improves localization ability in patients with unilateral deafness. Ear Hear. 2015 May-Jun;36(3):e93-8. 

42. The effects of unilateral cochlear implantation on the tinnitus handicap inventory and the influence on quality of life. Laryngoscope. 2011 Jul;121(7):1536-40

43. UK Cochlear Implant Study Group. Criteria of candidacy for unilateral cochlear implantation in postlingually deafened adults. I: Theory and measures of effectiveness. Ear Hear 2004; 25: 310–35. 

44. UK Cochlear Implant Study Group. Criteria of candidacy for unilateral cochlear implantation in postlingually deafened adults I: theory and measures of effectiveness. Ear Hear.2004;25(4):310–335. 

45. Vermeire K, Van de Heyning P. Binaural hearing after cochlear implantation in subjects -with unilateral sensorineural deafness and tinnitus. Audiol Neuro Otol. 2009;14:163–171.

46. Verschuur CA, Lutman ME, Ramsden R, Greenham P, O’Driscoll M. Auditory localization abilities in bilateral cochlear implant recipients. Otol Neurotol 2005; 26: 965–71

47. Vlastarakos PV, Nazos K, Tavoulari EF, Nikolopoulos TP. Cochlear implantation for single-sided deafness: the outcomes. An evidence-based approach. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2014 Aug;271(8):2119-26.

48. Waltzman SB, Roland JT, Cohe NL. Delayed implantation in congenitally deaf chidren and adults. Otol Neurotol 2002;23(3):333-340